segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Paróquia Santo Antônio: missão de evangelizar no Tauá

Raquel Araujo 
O Vicariato Leopoldina ganhou mais uma paróquia para intensificar o serviço de evangelização e multiplicar o serviço da Igreja no bairro do Tauá, na Ilha do Governador: Paróquia Santo Antônio. A cerimônia de instalação da nova paróquia e a posse do seu novo pároco, padre Álvaro da Silva, foi realizada na última sexta-feira, 31 de agosto, presidida pelo Arcebispo do Rio de Janeiro Dom Orani João Tempesta.

Desmembrada da Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, esta será uma das mais de duzentas paróquias que compõem a Arquidiocese do Rio de Janeiro. Para o pároco da Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Walderci Rossa, que durante os últimos anos era responsável pela então capela Santo Antônio, a instalação da nova paróquia é um momento importante para toda a comunidade cristã.

- (...) Durante toda essa caminhada, a Paróquia Santo Antonio teve condições de dizer: “hoje somos uma paróquia” porque aqui nós temos lideranças, é uma comunidade unida, com estrutura. Hoje a Santo Antonio se torna paróquia e estamos muito alegres em partilhar esse momento importante para a comunidade cristã, não só para nós Missionários da Sagrada Família, ou para a Arquidiocese, mas para a Igreja que cresce, afirmou.

A alegria com a instalação da nova paróquia era visível também no semblante dos paroquianos. Membro da juventude da Paróquia e integrante da comunidade de Santo Antônio desde 1994, Juberto Santos manifestou a sua alegria em ver a comunidade crescendo:

- Fomos capela desde a sua fundação e a comunidade sempre cresceu com muita luta, mas sempre nos mantivemos unidos. A comunidade da Ilha do Governador como um todo sempre manteve conosco uma relação de carinho.

No início da celebração, o vigário episcopal do Vicariato Leopoldina, padre Alex Siqueira e o pároco da paróquia da Ressurreição, Monsenhor Roberto Devellard, respectivamente, fizeram a leitura do decreto de criação da Paróquia Santo Antônio e a provisão do pároco.

O pároco recém-nomeado, padre Álvaro, proferiu a profissão de fé e o juramento de fidelidade e, após ser paramentado com as vestes litúrgicas, fez a proclamação do Evangelho pela primeira vez, como pároco, aos fiéis a ele confiado. Padre Álvaro é formador do Seminário São José e antes de ser nomeado pároco da Paróquia Santo Antônio, exercia o seu ministério da paróquia da Ressurreição.


Durante a Homilia, Dom Orani ressaltou que a criação da nova Igreja vem em um momento em que a sociedade precisa encontrar pessoas firmes na fé que levem a palavra do Evangelho para aqueles que estão mais afastados:

- A Igreja vai se expandindo e com isso vai criando fórmulas para atuar com mais profundidade. Esse momento fala mais que palavras porque fala com gestos e mostra o crescimento das paróquias no Rio de Janeiro. Que essa paróquia possa aprofundar a catequese, as pastorais em unidade com as demais comunidades. Os sinais de Deus nos dão novos ânimos e os desafios dessa missão evangelizadora nos mostra bem isso. Essa nova paróquia nasce em um momento em que a sociedade precisa encontrar na Igreja pessoas convictas de sua fé, ponderou.

Dando prosseguimento ao rito de posse, de acordo com Cerimonial dos Bispos, depois da homilia, o novo pároco fez a renovação das promessas sacerdotais, recebendo as chaves da igreja e do sacrário, a imposição da estola e os instrumentos do batistério. Após receber do Arcebispo uma bênção especial, tomou posse da cadeira presidencial. Padre Álvaro ressaltou que o carinho por Santo Antônio é de longa data e afirmou que pretende trabalhar na comunidade à luz do Espírito Santo e sob as graças do padroeiro:


- A minha amizade com Santo Antônio nasceu de um grupo de fiéis que em Botafogo que faziam uma festa muito para Santo Antônio, cantavam as músicas da tradição e testemunhavam as graças que receberam através do santo. Então, a beleza da fé daquela gente me marcou, mas eu não sabia que esse seria o início da preparação para que eu viesse para cá assumir essa paróquia de Santo Antonio. Daqui para frente pretendo seguir aquilo que a realidade vai pedir. Tenho algumas ideias, mas tenho o desejo de ver o que vai ser realmente necessário, o que vai ser útil e o que vai surgir, o que santo Antônio vai dar de graças para mim e para esse povo, testemunhou.

Uma Igreja Viva

A criação de mais uma paróquia na Arquidiocese do Rio de Janeiro comprova mais uma vez os dados do Censo Anual de 2010 realizado pelo Centro de Estatística e Investigações Sociais (CERIS) — entidade brasileira de pesquisa religiosa fundada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Segundo o órgão, a Igreja está cada vez mais viva.

De acordo com o sociólogo Padre José Carlos Pereira, que também é colaborador do CERIS os dados apontam para o aumento do número de paróquias e para a criação de novas dioceses, mostrando uma Igreja em constante crescimento:

“Os teóricos da secularização dizem que a religião está fadada ao fracasso, mas o que vemos é o contrário, pois à medida que surge a necessidade da criação de mais paróquias e estas de serem setorizadas, ampliando, assim, o seu alcance, supõe-se que os resultados são de uma maior adesão religiosa, inclusive de pessoas afastadas”, especifica o texto.

De Capela à Paróquia: presença evangelizadora na Ilha

Inicialmente, em 1938, a comunidade se reunia em uma casa de madeira bem simples, com bancos corridos, o altar e uma imagem do padroeiro. Essa primeira capelinha ficava localizada próximo do atual terreno da igreja, aonde aconteciam reuniões, reza do terço, ladainhas, missas... Existindo assim uma Pia União. O zelador da primeira capelinha foi Antônio Fernandes Lima, morador da rua e grande devoto do padroeiro. Ele, sua esposa, filhos e netos foram grandes atuantes na comunidade.


Em fins de 1938, a prefeitura iniciou o loteamento da região e a capela não poderia mais funcionar no antigo endereço. A casa de madeira seria então removida do local. Em 12 de março de 1939, foi dado início a construção da nova capela, em um terreno doado à Igreja Nossa Senhora D’Ajuda. Nesse dia foi realizada uma missa campal, seguida de procissão até a Matriz. Para ajudar na construção da nova igreja foi criada uma Associação Civil sob o título de “Instituição de Caridade de Santo Antônio dos Pobres”, onde comerciantes locais e demais moradores se uniram em torno desse projeto.

Em 1999, devido à fragilidade da antiga estrutura, foi necessário rever toda a planta da capela. Dessa forma, o antigo prédio precisou ser demolido. A comunidade se uniu mais uma vez e, durante dois anos, contribuíram para finalizar a obra. Em 13 de junho de 2001, o novo templo foi reinaugurado em uma grande festa no dia do padroeiro. A partir desse ano a festa passaria a acontecer apenas no interior do novo salão da igreja. O novo prédio, projetado em linhas mais modernas, permanece apenas com algumas preciosidades da antiga capela: as portas entalhadas, a imagem do padroeiro em tamanho humano doada na década de 1950 e outras imagens, a relíquia de Santo Antônio, o estandarte do padroeiro, os sinos, dentre outros objetos. Até hoje, muitas pessoas sentem saudades da antiga capela, das grandes festas juninas na Capanema, sendo consideradas como parte da história insulana.

Desta forma a Paróquia Santo Antônio marca a sua história de evangelização na Ilha do Governador.

* Pesquisa Histórica: Juberto Santos* Fotos: Carlos Moioli

* Fonte: Portal da Arquidiocese do Rio de Janeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário